Prefeito médico só fala sobre brita colada e piche que coloca em algumas ruas pensando enganar a população…

O vídeo do velório de um recém-nascido que viralizou na internet desde a madrugada desta terça (09), chocou a população e mais uma vez expôs a fragilidade da Saúde com origens na má gestão cada mais vez explícita do prefeito médico Erivelton Neves, da Renovação. Com contratos que superam os R$ 9 milhões para serviços médicos, além de recursos depositados no último 28 de abril nas contas da Saúde no valor de R$ 2,5 milhões para a atenção básicas, o carolinense ainda ver tragédia como aquela acontecer. O pai registou Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia de Carolina logo após sepultar seu bebê.

Segundo Walisson Bastos, irmão do bebê falecido, o Hospital Municipal de Carolina não teve compromisso com sua mãe nem com seu irmãozinho. Ainda segundo ele, estão a gestão tenta colocar a família como mentirosa, mesma sendo vítima da perda de um filho tão esperado. “Pra quê mentiríamos? ”, perguntou o rapaz que postou texto emocionante em sua rede social.

MAIS MORTES! O vereador Marquinho Cirilo, hoje aliado do prefeito médico por questões muito particulares, já denunciou morte de outro bebê no HMC e que acabou em pizza. Em junho de 2017, com seis meses de mandato do atual gestor, o vereador denunciou que uma moradora da região do Jenipapo – na zona rural –, veio à cidade no dia 9 de junho daquele ano à procurava o Hospital Municipal de Carolina (HMC) para ser atendida e para que seu parto fosse realizado. Em todas as suas idas ao HMC, o médico atendente informava que ainda não era o momento do parto e orientava que a mãe retornasse outro dia. No dia 26 de junho, a mãe foi mais uma vez ao HMC. Daquela vez, muito aflita e sentindo dores muito fortes. O hospital sem condições de realizar partos, o médico de plantão a encaminhou para a cidade de Araguaína (TO). O bebê morreu na viagem.

O jovem casal Josimar Rodrigues Sousa e Letícia Arruda da Silva Xavier, moradores do Bairro Brejinho, se preparam para o momento do nascimento do primeiro filho. Às 3h40min da madrugada de 1º de outubro de 2017, chegaram ao Hospital Municipal de Carolina. Retornaram para casa tristes, com a dor profunda da perda de um filho tão esperado. O caso é investigado pelo Ministério Público por negligência no atendimento no HMC.

Em um grupo de Whatsapp de gestante de programa do HMC, em 24 de novembro de 2018, a seguinte denúncia: “Eu estava no hospital. Começaram um parto normal de um prematuro que só saiu a cabeça do feto [bebê], depois não deu certo foram pra cesariana, o feto [bebê] faleceu… a mãe entre a vida e a morte com apenas 16 anos, tudo por um infecção de urina que não foi tratada quando chegou reclamando sexta-feira na emergência e foi mandada para casa. Fiquei apavorada, fui para emergência por não está muito bem, o médico nem se encontrava lá, voltei para casa no mesmo estado que cheguei lá”.

Desde segunda-feira, 08, data da morte do bebê no Hospital de Carolina que o CIDADE EM AÇÃO aguarda resposta da Saúde sobre onde serão investidos os R$ 2,5 milhões depositados nas contas da prefeitura desde 28 de abril. Já passaram 40 dias e o prefeito ainda não anunciou como o dinheiro será investido.

O vereador Ernesto Nascimento acompanhou o caso desde os primeiros momentos e mais uma vez ficou impressionado como o descaso como são tratadas as pessoas carentes na Saúde de Carolina. “Situação vergonhosa para um setor que tem contratos de alto valor para ter médicos especialistas a serviço do povo”, disse.

Da Justiça só se espera que engavete mais essa barbaridade contra a população de Carolina.

Abaixo o vídeo do velório do recém-nascido morto no HMC:

Categories: CAROLINA