Cidade Em Ação
Powered by Conduit Mobile

TRAGÉDIA EM BALSAS: Delegado fala sobre possíveis causas do acidente que matou cinco pessoas em Balsas

Família sobrevivente e casal mortos durante acidente aéreo em Balsas Família sobrevivente e casal mortos durante acidente aéreo em Balsas Foto: Reprodução

Esposa do piloto Delano Martins Coelho foi sepultada na cidade de Pau dos Ferros (RN)

 

A queda do monomotor Minuano, modelo EMB-720, por volta das 6h30min do domingo (03), no Bairro Catumbi, em Balsas (MA), foi o maior acidente aéreo do sul do Maranhão. Morreram no acidente Maria de Jesus Cruz e Silva, 87 anos – enferma que seria levada para Teresina (PI); Francisca Pereira e Silva, 45 anos - filha de Maria de Jesus; Alan Patrick Silva Sepulveda, 30 anos - neto de Maria de Jesus; Delano Martins Coelho, 36 anos - piloto do avião; e, Lorena Alves de Lima, de 22 anos - enfermeira, esposa de Delano. A aeronave havia decolado do Aeroporto Municipal de Balsas e após 500 metros caiu sobre uma residência, onde dormiam um casal e seu filho – todos sobreviveram. Nem a imprensa local nem a Polícia divulgaram os nomes dos integrantes dos sobreviventes.

Em entrevista ao G1, o delegado regional de Polícia Civil Eduardo Galvão disse que acredita que a aeronave tenha tido uma pane no ar. "O avião planou no ar e os motores, ao que tudo indica, pararam de funcionar e o avião desceu em silêncio. A avaliação também se dá pela posição que as hélices se encontravam", explicou. Galvão contou ainda que o tempo entre a decolagem e a queda do avião sobre a casa durou menos de um minuto. "Estima-se que o avião demorou cerca de 35 segundos, no máximo, para decolar e ficou durante 10 segundos voando até o motor dar pane. Ele desceu sem rotacionar, as hélices caíram e ficaram paradas", contou. Eduardo Galvão disse ainda que a fiação elétrica amorteceu a queda da aeronave. “Não fosse isso, a tragédia teria sido maior”, disse.
Segundo o delegado, a tragédia só não foi maior porque a fiação elétrica da rua amorteceu a aeronave antes de ela cair. "Ao cair sobre a residência, a fiação elétrica serviu como um amortecedor e fez com que o avião embicasse e não caísse direto sobre a residência e destruísse tudo pela frente. Na rua atrás da residência, funcionava uma feira de frutas, a feirinha do Dedé", relatou, acrescentando que pouco tempo antes do acidente, por volta de 5h, já havia gente no local.

SOBREVIVENTES – A casa onde a aeronave caiu ficou totalmente destruída. O quarto do filho do casal foi o local da residência onde os destroços do avião ficaram. A criança sempre dormiu no quarto, mas na noite anterior insistiu para dormir no quarto dos pais. “Meu Deus parece inacreditável, se existir milagre esse foi um, o nosso filho estava com saudade do pai que trabalha em uma fazenda, ele nos pediu e nós atendemos. Se não fosse isso estaria morto, o quarto dele ficou destruído" afirmou Sabrina Ertell – a mãe do menino.

O delegado Eduardo Galvão chama atenção para o fato dos aviões que funcionam como taxi-lotação, transportando gente doente para hospitais sem ter a estrutura adequada para isso. “Esse foi o caso do avião que caiu em Balsas, que teve os bancos retirados para que a maca fosse encaixada, além de não ter o espaço correto para encaixar o tanque de oxigênio da paciente, que os aviões próprios para isso têm”, informou.

Os corpos das vítimas ficaram carbonizados. Lorena Alves Lima, esposa do piloto Delano Martins Coelho, foi sepultada na cidade de Pau dos Ferros, no Rio Grande do Norte, na segunda (04). (Com informações do Diário de Balsas - www.diariodebalsas.com.br)

VEJA VÍDEO GRAVADO MINUTOS DEPOIS DO ACIDENTE EM BALSAS:

Ler 2268 vezes
Avalie este item
(0 votos)
Publicado em Balsas

Conecte-se conosco

Style Setting

Fonts

Layouts

Direction

Template Widths

px  %

px  %