Valor arrecadado com a Taxa de Iluminação daria para realizar o projeto sem endividar os cofres públicos

A presidente da Câmara Lys Jácome convocou os vereadores para sessão extraordinária marcada para sexta (27) para votação do Projeto de Lei Nº 22/2019, que autoriza o prefeito Erivelton Neves, da Renovação, a contratar empréstimo no valor de R$ 3.700.000 ,00 (três milhões e setecentos mil reais) junto ao Banco do Brasil para, segundo o PL, instalação de sistema de energia solar nos prédios da Prefeitura de Carolina. Levando em consideração a subserviência do Poder Legislativo local ao Executivo, o empréstimo será aprovado facilmente.

O valor do empréstimo, que conforme o projeto de lei, deverá ser descontado de uma das contas da prefeitura em 60 meses, é bem aproximado do valor que a Equatorial, antiga CEMAR, arrecada dos consumidores de energia através da Taxa de Iluminação Pública – a mesma aumentada em 220% pelo prefeito Erivelton Neves – o que dificilmente será colocado em pauta das discussões do projeto do empréstimo.

O CIDADE EM AÇÃO ouviu um especialista do setor elétrico, que pede para não ser identificado. Segundo ele, o valor arrecadado com a Taxa de Iluminação Pública daria para instalar todos os equipamentos necessários para a geração de energia solar nos prédios públicos sem a necessidade de endividar mais ainda a Prefeitura de Carolina.

NOTA DA REDAÇÃO! Que a utilização de energia solar, com o tempo se torna mais econômico e mais benéfico para o meio ambiente, isso é fato. Contudo, não é prioridade para a população, que tem visto os serviços de transporte escolar, merenda escolar, serviços médicos (contratados por R$ 3,2 milhões por ano), entre outros casos, com muita precariedade e nem por isso se viu o prefeito pedir autorização do Legislativo para obter recursos para melhorar os tais serviços ruins prestados pela atual gestão.

BAIXE O PL Nº 22/2019 NA ÍNTEGRA

Categories: CAROLINA